Apresentação

O VIII Encontro Nacional de Pesquisa foi realizado entre 5 e 9 de dezembro de 2011 na Universidade Estadual de Campinas. O evento teve 1920 participantes inscritos, entre palestrantes, conferencistas, autores e/ou co-autores. Destes, 43% eram professores pesquisadores do campo, 38% alunos de pós-graduação e 19% alunos de graduação. Esta distribuição refletiu não só a integração da ABRAPEC com os programas de pós-graduação da área, bem como o crescente papel formativo desempenhado pelo evento. Os participantes eram oriundos das regiões Norte (6%), Nordeste (17%), Centro-Oeste (6%), Sudeste (47%) e Sul (22%). Esta distribuição corresponde à maior concentração de programas de pós-gradução nas regiões Sul e Sudeste do país bem como pode ser explicada pela maior proximidade e, consequente diminuição de custos de participação, dos pesquisadores das regiões no evento, que se realizou em Campinas, SP. O encontro contou também com a participação de 15 colegas íberoamericanos. Ao todo foram submetidos 1695 trabalhos e, após a avaliação por pelo menos dois árbitros, foram aprovados para apresentação 1235 trabalhos. Do total submetido, 1009 o foram na modalidade comunicação oral, 677 na modalidade pôster e 16 como simpósios temáticos. Os trabalhos foram assim distribuídos nas 14 linhas temáticas do evento: (278) Ensino e aprendizagem de conceitos científicos; (385) Formação de professores de ciências; (131) História, Filosofia e Sociologia da Ciência no ensino (96); Educação em espaços não formais e divulgação científica; (98) Tecnologias da Informação e Comunicação no Ensino de Ciências; (110) Educação ambiental e ensino de ciências; (51) Educação em saúde e ensino de ciências; (119) Linguagem e ensino de ciências; (112) Alfabetização científica e tecnológica; (72) Currículos; (35) Avaliação; (53) Diversidade e multiculturalismo; (127) Processos e Materiais educativos; (28) Políticas educacionais.

No dia 05 de dezembro foram realizadas a IV Escola de Formação de Pesquisadores, a reunião da Comissão Científica e dos coordenadores de arbitragem e a reunião da diretoria da ABRAPEC. A IV Escola reuniu aproximadamente 200 alunos de programas de pós-graduação e de graduação, de todas as regiões brasileiras, em 15 mini-cursos, com oito horas de duração cada, sobre diversos temas de interesse da área de pesquisa em Educação em Ciências tais como: Ciência e Literatura; Percepções de Ciência e Tecnologia; Métodos de análise qualitativa; Metodologia de Pesquisa e construção de dados em educação em ciências; Inovações Tecnológicas e Educação Ambiental; Ensino de Química e materiais experimentais; Estudos de linguagem e educação em ciências; Pesquisa didática na formação de professores; Ciência e Cinema; Educação, Alimentação e Cultura na formação de professores; Modelos de argumentação; História e Filosfia da Biologia; Abordagens Ciência-Tecnologia-Sociedade-Ambiente; Controvérsias histórico-filosóficas e ensino de ciências. Os cursos foram avaliados positivamente pelos participantes, mas detectou-se a necessidade de maior antecedência na sua divulgaçào à comunidade.

A avaliação dos trabalhos submetidos ao evento foi, pela primeira vez, realizada de forma descentralizada. A dinâmica de arbitragem foi pensada de modo a reunir pesquisadores com diferentes perfis e graus de experiência em um processo com caráter formativo e que contribuiu para o compartilhamento de critérios de avaliação da pesquisa na área. Foram convidados dois pesquisadores, um experiente e outro recém-doutor e recém-integrante em programa de pós graduação, para juntos coordenarem os trabalhos de avaliação de cada uma das linhas temáticas do evento.

Aceitaram o convite da coordenação 437 árbitros que, depois de distribuídos nas linhas temáticas de sua escolha receberam uma média de 10 trabalhos para avaliação. Todos os trabalhos foram avaliados às cegas por pelo menos dois avaliadores e, nos casos de discrepância, a decisão ficou a cargo de um terceiro árbitro designado pela coordenação da linha temática. O processo de avaliação foi objeto de discussão na reunião entre a comissão científica e os coordenadores de arbitragem das 14 linhas temáticas, realizada na tarde do dia 05/12. A reunião contou com a participação de 25 pesquisadores, que discutiram aspectos do processo de avaliação dos trabalhos, tais como uniformidade dos critérios utilizados e das orientações necessárias aos pareceristas, necessidade de ampliação do tempo destinado às avaliações, reformulações no conteúdo da ficha de avaliação e análises dos pareceres, entre outros, com vistas ao aprimoramento do processo de arbitragem para futuros eventos. De forma geral, a experiência de descentralização do processo de arbitragem e o envolvimento de jovens doutores foram considerados positivos do ponto de vista de investimento na formação de novos pareceristas e do aumento da transparência do processo de avaliação.

Na reunião da diretoria foram encaminhadas discussões relativas ao andamento do evento e a assuntos de interesse da associação.

O evento conjunto (VIII Encontro Nacional de Pesquisa em Educação em Ciências e I Congreso Internacional de Investigación en Enseñanza de las Ciencias) foi iniciado em 06/11 com uma sessão plenária na forma de mesa redonda que reuniu pesquisadores da área de Educação em Ciências para debater perspectivas de evolução e desenvolvimento na pesquisa e na formação na área de Educação em Ciências à luz da sua história. Participaram pesquisadores íbero-americanos das áreas de Física, Química e Biologia, que apresentaram dados acerca do da evolução da área. Neste momento foi feita uma singela homenagem aos professores Susana de Souza Barros, Amélia Império Hamburguer, Érica Zimmermann, falecidas em 2011, pela sua contribuição à pesquisa em Educação em Ciências.

As atividades prosseguiram com outra mesa redonda plenária que discutiu políticas públicas para a Educação em Ciências fomentadas no âmbito do MEC e do MCT&I, que foi seguida da primeira sessão paralela de apresentação de simpósios temáticos, comunicações orais e painéis.

As atividades do dia foram encerradas com a realização de cinco encontros temáticos. O primeiro deles reuniu pesquisadores íberoamericanos e brasileiros para discussão de intercâmbios de pesquisa e possibilidades de colaboração. Os presentes deliberaram pela continuidade do CIEC como um evento itinerante a ser realizado paralelamente a eventos tópicos realizados na Península Ibérica e na América Latina. Sua segunda edição será realizada em San Juan del Pasto, Colômbia, em Novembro de 2012. Foi submetida também uma proposta de um número monográfico da Revista Enseñanza de las Ciencias (Espanha) contendo um conjunto de textos sobre a história da pesquisa em educação em ciências nos países íbero-mericanos.

O segundo encontro reuniu 14 participantes, sendo sete deles editores das principais revistas da área de Educação em Ciências para discussão de questões relacionadas à melhoria da qualificação das revistas da área, indexação, acesso, financiamento e ampliação de sua inserção internacional. Foi deliberada a realização de um evento para aprofundamento das questões da pauta e para realização de palestras e debates com representantes da base de dados Scielo.

Aconteceu também o encontro dos coordenadores de programas de pós-graduação da área de Ensino de Ciências e Matemática com a coordenação do FORCECEM (Fórum de Coordenadores de Programas de Ensino de Ciências e Educação Matemática), que debateu questões relativas à extinção da área de Ensino de Ciências e Matemática e à criação da área de Ensino na CAPES. Os coordenadores encaminharam moção de apoio ao Forum e de repúdio à falta de diálogo entre a CAPES e os coordenadores de programas, a comunidade de pesquisadores e os dirigentes do FORCECEM.

O quarto encontro reuniu dirigentes das associações e sociedades científicas ligas ao ensino das diferentes áreas das ciências naturais (Associação Brasileira de Pesquisa em Educação em Ciências, Secretaria para Assuntos de Ensino da Sociedade Brasileira de Física, Divisão de Ensino da Sociedade Brasileira de Química, Associação Brasileira de Ensino de Biologia, entre outras) para discutir ações de cooperação e parceria entre as entidades.

Finalmente foi realizada a reunião entre os coordenadores dos grupos de trabalho da ABRAPEC, que deliberaram pela sua descontinuidade.

Nos dias 7 e 8 de novembro, a programação constou de conferências plenárias, apresentações de trabalhos nas modalidades previstas e mesas redondas. As duas conferências plenárias foram ministradas por pesquisadores seniores da área de Educação em Ciências, coordenadores de grupos de pesquisa de alta reputação vinculados a universidades europeias que mantem cursos de pós-graduação com nível máximo de qualidade. Os temas versaram sobre questões contemporâneas na educação em ciências tais como ciência e democracia, alfabetização científica e educação para a sustentabilidade. Houve tradução simultânea de ambas conferências, ministradas em inglês, e ampla participação da audiência por meio de perguntas aos palestrantes e debates. As mesas redondas reuniram pesquisadores brasileiros e íbero-americanos para debate de questões de interesse da pesquisa na área. Buscou-se contemplar a diversidade regional e incluir pesquisadores estrangeiros como palestrantes e/ou coordenadores em todas as mesas redondas. Os temas abordados incluíram as políticas de avaliação de livros didáticos brasileiros como contexto de pesquisas e de práticas educacionais; as relações entre saúde, ambiente e educação em ciências; o papel e desafios para os periódicos da área; o ensino de ciências nos anos iniciais; a contribuição das pesquisas sobre argumentação e discurso para o ensino de ciências; os impactos das políticas de avaliação da pesquisa na área de Educação em Ciências.

Na sequência às mesas do dia 07 e à conferência do dia 08 foram realizadas apresentações de trabalhos em todas as modaliades. Ao todo foram 131 sessões de comunicação oral, 34 sessões de painéis e 6 sessões de simpósios temáticos.

No dia 7/11 foi realizado, ainda, o lançamento de livros cujos autores são membros da comunidade de pesquisadores em Educação em Ciências. Realizou-se também neste dia uma atividade cultural, que consistiu em um show de música.

No dia 8/11, foi realizada a assembleia geral ordinária da ABRAPEC, instituição promotora do evento, que deliberou sobre assuntos gerais de interesse da associação. Na ocasião foram apresentadas planilhas preliminares com os gastos de custeio do evento e aprovadas moções encaminhadas pelo plenário.

O evento foi encerrado as 12h do dia 09/11, após a realização de três mesas redondas paralelas (sobre o ensino de ciências nos anos iniciais; a contribuição das pesquisas sobre argumentação e discurso para o ensino de ciências; os impactos das políticas de avaliação da pesquisa na área de Educação em Ciências) e sessões paralelas de apresentação de trabalhos.

Podemos dizer que, ao longo de todas as sessões, o tema do evento foi desdobrado no contexto de discussões acerca da formulação e avaliação de políticas públicas para a educação em ciências, da necessária articulação entre pesquisa e ensino, dos desafios e responsabilidades que o crescimento da nossa comunidade implica e, não menos importante, da conjuntura atual de reformulação da estrutura da área na CAPES. O ENPEC e a ABRAPEC reafirmaram-se como fóruns de debate, posicionamento e de ações de uma comunidade comprometida com o planejamento, implementação e avaliação de propostas e inovações educacionais voltadas ao desenvolvimento do pleno exercício de uma cidadania responsável, bem como para o domínio dos conteúdos científicos e do conhecimento a respeito dos seus processos de construção. Os trabalhos apresentados e as discussões realizadas no evento reforçaram este compromisso e consolidaram esta identidade. Em síntese, a convivência ao longo destes cinco dias permitiu dar visibilidade à produção acadêmica da área, a integração de novos pesquisadores à comunidade, avançar reflexões sobre a formação em pesquisa, além de ampliar o debate acerca da indiscutível importância do ensino de ciências na sociedade contemporânea e da responsabilidade dos educadores em ciências neste contexto.

Isabel Martins e Marcelo Giordan (Comissão Nacional)