ATAS DO V ENCONTRO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
 

I ESCOLA DE FORMAÇÃO DE PESQUISADORES EM ENSINO DE CIÊNCIAS E MATEMÁTICA

A I Escola de Formação de Pesquisadores em Ensino de Ciências e Matemática foi realizada nos dias que antecederam o V ENPEC. Nesta primeira versão da Escola, foram oferecidos 10 (dez) cursos, ministrados por pesquisadores experientes de diversas áreas temáticas. Cada curso disponibilizou, no máximo, 40 vagas. Os cursos foram oferecidos, preferencialmente, a estudantes de Iniciação Científica, Mestrandos e Doutorandos.

 

CURSOS

AS ANALOGIAS NO ENSINO E NA APRENDIZAGEM DAS CIÊNCIAS
Maria da Conceição Duarte (Universidade do Minho - Portugal) cduarte@iep.uminho.pt

O curso procurou fornecer aos formandos referenciais teóricos e práticos que lhes permitam recorrer à utilização crítica de analogias no ensino e na aprendizagem das ciências. Pretende-se, ainda, analisar trabalhos de investigação sobre a utilização de analogias no ensino e na aprendizagem das ciências.

AS LINGUAGENS E A INVESTIGAÇÃO DO ENSINO DE CIÊNCIAS
Eduardo Mortimer (UFMG) mortimer@dedalus.lcc.ufmg.br
Isabel Martins (NUTES/RJ) isabel@nutes.ufrj.br
Maria José P. M. de Almeida (UNICAMP) mjpma@unicamp.br
Silvania S. Nascimento (UFMG) silsousa@fae.ufmg.br

As temáticas abordadas no curso foram as seguintes: As linguagens e suas implicações para o ensino de ciências; Abordagens discursivas e a investigação de ensino de ciências; Estruturas teóricas e analíticas de análise das linguagens e do discurso em sala de aula de ciências; Objeto, problema e questões de investigação: possibilidades e limites da análise de discurso.

PESQUISA QUALITATIVA: SIGNIFICADOS E A RAZÃO QUE A SUSTENTA
Maria Aparecida Viggiani Bicudo (UNESP/Rio Claro) mariabicudo@uol.com.br

O objetivo deste mini-curso foi expor o significado de pesquisa e abordar as questões de fundo que estão subjacentes às modalidades de pesquisa positivista e aquela que se desenvolve no período contemporâneo, do ponto de vista de concepção de conhecimento e de realidade. Procurou-se apontar os valores que servem de norte para essas modalidades e trabalhar as noções de rigor nelas presentes. Foram apontadas, também, as concepções de história e de linguagem como significativas para as modalidades de pesquisa que trabalham qualitativamente.

EPISTEMOLOGIA E HISTÓRIA DA COSMOLOGIA E DA RELATIVIDADE: DO ANNUS MIRABILIS AOS INÚMEROS PRÓLOGOS DA "CIÊNCIA OFICIAL" E DE SUA PUBLICIDADE
Marcos César Danhoni Neves (UEM) macedane@yahoo.com

O curso procurou resgatar a recente história da Relatividade e da Cosmologia, fora dos contextos 'oficiais' que aparecem em livros-textos ou de divulgação científica. Um tratamento de fontes periféricas procurou mostrar o quão distante o estado d'arte da pesquisa nessas áreas se encontra diante da história e do viés epistemológico pós-Kuhn.

DIDÁTICA DAS CIÊNCIAS SOB A ÓPTICA DE REFERENCIAIS FRANCESES
Maurício Pietrocola.(FEUSP) mpietro@usp.br

O curso procurou discutir e analisar criticamente as atuais abordagens teóricas sobre a didática das ciências naturais e da matemática. Foram privilegiados trabalhos de autores de língua francesa, enfocando temas como transposição didática, contrato didático, alfabetização científica e técnica e modelização. Em particular foram abordadas questões relativas à aplicação desses referenciais teóricos a problemas e questões específicas do ensino de ciências, como as concepções alternativas, os obstáculos epistemológicos, o conflito cognitivo, os consensos na ciência, a construção de realidades no cotidiano, as relações professor-aluno-material didático, a definição de conteúdos curriculares e escolares etc.

O AMBIENTE VIRTUAL DE APRENDIZAGEM A DISTÂNCIA "4LEARN"
Odete Pacubi Baierl Teixeira (UNESP/FEG) opbt@feg.unesp.br
André Ricardo Soares Amarante (CTIG - UNESP/FEG e UNESP/PGFC) andre@feg.unesp.br

A educação presencial pode modificar-se significativamente com a inserção das redes eletrônicas, permitindo assim que as pessoas se intercomuniquem, troquem informações, dados, pesquisas por intermédio da integração de várias mídias, que podem ser acessadas, tanto em tempo real como assincronicamente, no horário mais favorável a cada indivíduo. Com essas perspectivas, o curso procurou abordar aspectos teórico-metodológicos da ferramenta "4Learn" visando a compreensão de alguns modos de integrar a tecnologia no ambiente de aprendizagem, no contexto da educação presencial, semipresencial e a distância. O curso objetivou: Apresentar a ferramenta, os conhecimentos básicos para utilização do "4Learn", os recursos disponíveis e os atores do ambiente; Discutir a adequação de imagens, sons e vídeos para visualização na WEB; Discutir gerenciamento dos diferentes ambientes de avaliação; Apresentar exemplos de estruturação de material didático no "4Learn"; Apresentar o funcionamento do módulo "aluno".

LAS ESPECIFICIDADES HISTÓRICO-EPISTEMOLÓGICAS DE LA QUIMICA COMO CIENCIA
Rômulo Gallego-Badillo (Universidad Pedagógica Nacional - Colômbia) rgallego@pedagogica.edu.co

La pregunta directriz de este curso fué ¿Cómo la categoría epistemológica de modelo y no la de teoría es la que posibilita sustentar que la química como una ciencia de la naturaleza, lo es distinta de la física y de la biología, por ejemplo? En este curso se examinó la posición critica del uso extensivo e indiscriminado de la categoría de modelo (Greca y Dos Santos, 1994) y se disertó acerca del la construcción del modelo icónico-tecnológico, como la representación del objeto de saber y de investigación de los químicos (Hoffmann, 1997).

DISCUSSÕES PÓS-MODERNAS E EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
Antônio Carlos R. Amorim (UNICAMP) acamorim@unicamp.br

O curso procurou apresentar e discutir aproximações da educação em Ciências com discussões advindas de teorizações pós-modernas associadas à centralidade da cultura, linguagem e representação. No curso, buscou-se apresentar a idéia da representação como organizadora da expressão da linguagem a partir de um mapeamento dos estudos que relacionam culturas e educação em ciências via análises de campo da produção cultural (mídias) e dos denominados estudos urbanos. Buscou-se aproximação com a noção da escrita como construção de eventos, com ajuda dos estudos culturais que se centram nas análises do espaço de laboratório. Foram referências para este curso, textos e experiências do grupo de estudos culturais coordenado por Maria Lúcia Wortmann (Brasil), de Tobin (EUA) e de Bruno Latour, antropólogo francês.

TRABALHO COLETIVO E GRUPOS DE APRENDIZAGEM NA ESCOLA: UMA INTERSEÇÃO ENTRE PSICANÁLISE E EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
Alberto Villani (IFUSP) avillani@if.usp.br
Elisabeth Barolli (UNICAMP/FE) ebarolli@uol.com.br
Marcelo Alves Barros m.m.barros@uol.com.br

As temáticas abordadas no curso foram as seguintes: O referencial psicanalítico de Bion (1970): a dinâmica dos grupos no contexto do interjogo entre estratégias compartilhadas anonimamente e o esforço em trabalhar a partir da objetividade. Distinção entre grupo de trabalho e grupo de suposições básicas (com as subdivisões de dependência, luta e fuga e acasalamento). Análise de algumas situações de sala de aula no ensino médio e superior (Barolli, 1998). O referencial psicanalítico de Kaës (1997): a evolução de um grupo e os momentos organizadores. O momento originário (com o contrato narcísico comum e os pactos denegativos), o envelope grupal e o momento mitopoético.Discussão dos conceitos de Intermediário e Aparelho psíquico grupal (com as possibilidades de isomorfismo e homomorfismo). Articulação dos dois referenciais para descrever a análise sincrônica e diacrônica do desenvolvimento de um grupo. Análise e discussão de alguns casos grupais a partir dos relatos sobre os eventos correspondentes. Uma metodologia de pesquisa para apreender o grupo (coleta, análise e interpretação dos dados).

ANÁLISE TEXTUAL: METODOLOGIA DE ANÁLISE DE INFORMAÇÕES EM PESQUISAS QUALITATIVAS EM EDUCAÇÃO EM CIÊNCIAS
Roque Moraes (PUC/RS) searom@pucrs.br
Maria do Carmo Galiazzi (PUC/RS) carmo@mikrus.com.br

O curso foi direcionado a mestrandos e doutorandos, no sentido de fundamentá-los na teoria e prática da análise de dados e informações em pesquisas qualitativas em Educação em Ciências. Envolvendo uma metodologia estruturada essencialmente em três passos, a produção das unidades de análise, a categorização e a produção escrita, os trabalhos foram organizados a partir de leituras de textos de fundamentos, envolvendo discussões e atividades práticas que possibilitassem embasar, compreender e realizar pesquisas utilizando a análise textual como metodologia de análise e interpretação de pesquisas na área. Além na análise e discussão de exemplos concretos de pesquisas, foram realizados exercícios práticos da metodologia de análise proposta, culminando com produções escritas dos participantes. Tendo em vista o tempo reduzido dos encontros presenciais, foi organizado um grupo de Internet para compartilhar materiais e discussões, prevendo-se uma continuidade e fechamento das produções a partir desse grupo.

 


Organização: Roberto Nardi e Oto Borges
Elaboração: Edvaldo Lima da Silva e Sérgio Camargo